You are here

Share page with AddThis

Cochonilha de S. José em Pomóideas

Quadraspidiotus perniciosus (Comst.)

Descrição

A cochonilha de S. José é um homóptero da família Diaspididae, originário do Extremo Oriente.

Nas condições do Ribatejo e Oeste, a cochonilha S. José ataca as pereiras, podendo provocar a depreciação de frutos, destruição de ramos e morte de árvores.

Esta espécie apresenta acentuado dimorfismo sexual, passando no seu desenvolvimento por diferentes estados até atingir a fase adulta.

A fêmea adulta é áptera, piriforme, aplainado, ligado à planta e escondido sob um escudo circular desmontável, cinza-escuro, com cerca de 2 mm de diâmetro.

O macho tem um par de asas.

A maior dispersão da praga ocorre no estado de larva recém eclodida, pois o insecto pode deslocar-se. As larvas do primeiro instar têm o corpo de forma oval, cor amarela e comprimento de 0,2 mm a 0,3 mm, apresentando três pares de patas e um par de antenas. Posteriormente, as larvas fixam-se sobre o hospedeiro, onde segregam uma substância cerosa que origina a formação dum escudo com uma coloração acinzentada e dimensão de 0,6 mm a 0,7 mm de diâmetro. A partir desta fase, é possível observar o dimorfismo sexual: as cochonilhas fêmeas apresentam o escudo de forma circular, enquanto nos machos o escudo adquire a forma elíptica.

Ciclo de desenvolvimento

A cochonilha de S. José tem, no nosso país, três gerações anuais, uma das quais incompleta. A primeira geração tem início em meados de Maio, quando eclodem as larvas da 1ª geração, seguindo-se as outras duas a partir de Julho até fim de Outubro. Esta praga foi observada pela primeira vez em Portugal em 1931, perto de Aveiro.

A praga passa o Inverno no estado de larva do primeiro (fixa em diapausa) ou segundo instar e no estado de fêmea adulta.

No final do Inverno, os indivíduos hibernantes retomam o seu desenvolvimento e as fêmeas, 30 a 40 dias após a copulação, dão origem a larvas móveis. As condições climáticas durante o Inverno condicionam o aparecimento das larvas móveis da primeira geração, podendo verificar-se a sua presença desde o mês de Março até início de Junho.

A fêmea é vivípara, e a partir de finais de Maio, dá à luz a 8 a 10 larvas por dia. O período de posturas pode durar de 6 a 8 semanas.

Em planta hospedeira favorável, a fertilidade média é de 400 larvas.

As larvas, em primeiro lugar móveis, fixam-se e instalam os seus estiletes nas células vegetais. Formam crostas sobre os ramos, por vezes nas folhas e nos frutos, em volta do olho.

Após duas mudas, em Março e em Maio, dão machos e fêmeas.

O pico máximo da população de larvas móveis da 1ª geração ocorre durante o mês de Maio, enquanto na 2ª geração se verifica em Julho.

Danos

O ataque da praga nos frutos provoca o aparecimento das características pintas vermelhas, enquanto sobre a madeira é possível observar uma coloração avermelhada.

Trata-se de uma praga cuja limitação natural não se mostra muito eficaz na região, recorrendo-se, na maioria das vezes, à luta química para o seu combate.

As picadas de alimentação são acompanhadas pela injecção de uma saliva tóxica.

Provocam a deformação dos órgãos vegetais, a queda das folhas, colorações da epiderme dos frutos assim como o perecimento dos ramos colonizados.

Os frutos podem ser desclassificados.

Infestações importantes e repetidas enfraquecem a planta e pode levar à sua morte.

Medidas de profilaxia

A luta é obrigatória contra esta praga, sujeita a quarentena.

A cochonilha de São José tem muitos inimigos naturais: micro-himenópteros e várias joaninhas mas a sua contribuição é geralmente insuficiente no caso de pomares infestados.

Os tratamentos de finais de Inverno são os mais eficientes (momentos nos quais as cochonilhas activam o seu metabolismo).

Durante o período de vegetação, são vulneráveis quando são móveis.

A enxameação da primeira geração em Maio-Junho é o melhor momento para realizar tratamentos em vegetação.

Soluções Syngenta

 

Problema - imagens

Clique na imagem para ampliar

Piolhos de S. José em Pereira
Pomóideas

Piolhos de S. José em Pereira
Pomóideas

Piolhos de S. José em Pereira
Pomóideas

Piolhos de S. José em Pereira
Pomóideas

Piolhos de S. José em Pereira
Pomóideas

Piolhos de S. José em Pereira
Pomóideas

Piolhos de S. José em Pereira
Pomóideas

Piolhos de S. José em Pereira
Pomóideas