You are here

Share page with AddThis

Pirale em Milho

Ostrinia nubilalis


Descrição
 

Adulto: borboleta de 20 a 30 mm, fêmeas com asas amarelas pálidas e machos com asas castanhas.

Larva: lagarta de 20 mm na fase final, cinza-amarelada com a cabeça castanha.

Ovos: agrupados em oóplacas de duas dúzias de ovos postos na parte inferior das folhas.

Ciclo de desenvolvimento
 

Duas gerações possíveis por ano, a segunda geração voa do final de Julho a meados de Setembro.

As lagartas hibernam nos restos de milho e permanecem em diapausa até à Primavera.

As borboletas adultas realizam a postura de Junho a Julho na parte inferior das folhas.

As jovens lagartas atacam o verticilo foliar e alimentam-se das folhas e das panículas, cavam a caule e a seguir a espiga.

Danos
 

Os túneis escavados pelas lagartas causam rompimento, dos caules e das flores masculinas.

Os prejuízos são consideráveis com queda de produção, acrescida da dificuldade na colheita por quebra dos caules.

Os orifícios de penetração favorecem o desenvolvimento de agentes patogénicos causadores de podridões.

Em caso de ataque, a espiga de milho, o milho doce e o milho de sementes são desvalorizados.

Medidas de profilaxia
 

Intervir segundo as advertências.

Soluções Syngenta