You are here

Share page with AddThis

Elumis

Ultima atualização:
06.03.2017

Herbicida

Protecção de culturas

Authorisation Number: 
0569
Embalagems: 
1, 5, 10 e 20 L.
Composição: 
Fórmula: 
Dispersão em óleo (OD)

Finalidades / Condições de Utilização

Milho

Época de aplicação Dose
(L/ha)
Recomendações
Pós-emergência 1 – 2

Aplicação em pós-emergência do milho (3-8 folhas) e das infestantes (2-5 folhas), para o controlo de espécies infestantes gramíneas e dicotiledóneas.
Em caso de fortes infestações de gramíneas e /ou infestantes com desenvolvimento avançado recomenda-se a aplicação de 2L/ha.
Realizar apenas 1 aplicação por campanha.

Classificação, rotulagem e embalagem (CRE)

  • GHS09

Avisos legais

Declarações de precaução

  • Durante a aplicação não atingir terrenos e culturas vizinhas da área a tratar.
  • O ELUMIS não deverá ser aplicado com o milho em más condições vegetativas ou com temperaturas inferiores a 10º C.
  • A aplicação repetida de ELUMIS ou de herbicidas com o mesmo modo de acção pode provocar o desenvolvimento de biótipos resistentes de algumas infestantes indicadas no rótulo como susceptíves. Recomenda-se proceder à rotação de culturas sempre que possível e não aplicar o ELUMIS mais do que 3 anos consecutivos nos mesmos solos. De preferência, proceder à alternância com outros herbicidas de diferente modo de acção.
  • Após a aplicação de ELUMIS, pode-se proceder à instalação, no Outono seguinte, das culturas de trigo mole, trigo duro, cevada e colza e, na Primavera seguinte, culturas de batateira, beterraba-sacarina, beterraba-forrageira, cebola, espinafres, ervilheira, feijoeiro, girassol, luzerna e soja, após mobilização do solo. Deverão mediar 24 meses para uma cultura de faveira.
  • Quando for necessário fazer uma cultura de substituição, pode-se voltar a semear o milho.
  • Não se deve aplicar em campos de multiplicação de milho, em milho doce ou em milho para pipocas.
  • Não misturar o herbicida com adubos líquidos.
  • Muito tóxico para os organismos aquáticos com efeitos duradouros.
  • Evitar a libertação para o ambiente.
  • Recolher o produto derramado.
  • Eliminar o conteúdo de forma apropriada.
  • Não contaminar a água com este produto ou com a sua embalagem.
  • Para protecção das plantas não visadas, respeitar uma zona não pulverizada de 5 metros em relação às zonas circunvizinhas. Sempre que possível, utilizar bicos anti-deriva que garantam, pelo menos 50% de redução no arrastamento da calda durante a aplicação do produto podendo reduzir a zona não pulverizada para 1 metro em relação às zonas circunvizinhas.
  • Em caso de intoxicação contactar o Centro de Informação Antivenenos, Telef.: 808 250 143
  • A embalagem vazia deverá ser lavada três vezes, fechada, inutilizada e colocada em sacos de recolha, devendo estes serem entregues num centro de recepção valorfito; as águas de lavagem deverão ser usadas na preparação da calda.

Modo de Preparação da Calda e Utilização

MODO DE PREPARAÇÃO DA CALDA:
No depósito onde se prepara a calda deitar metade da água necessária. Agitar bem a embalagem até o produto ficar homogéneo. Deitar a quantidade de produto a utilizar e completar o volume de água, agitando sempre.

MODO DE APLICAÇÃO:
• Calibrar corretamente o equipamento, calculando o volume de calda gasto por ha, de acordo com o débito do pulverizador (L/min), da velocidade e largura de trabalho, com especial cuidado na uniformidade da distribuição de calda.
• Uma vez preparada a calda do herbicida a aplicação deve ser efetuada mediante um pulverizador com barra de aplicação para herbicidas.
• A quantidade de produto e o volume de calda deve ser adequado à área de aplicação, respeitando as doses indicadas.
• Para diminuir o risco de arrastamento evitar pressões superiores a 2 kg/cm2 e/ou usar bicos anti-arrastamento.
• Volume de calda a utilizar: 300 a 500 L/ha.

  • Em caso de intoxicação contactar o Centro de Informação Antivenenos, Telef.: 808 250 143

  • Protecção Integrada

    Segundo a Directiva do Uso Sustentável (Directiva 2009/128/CE) que foi transposta para a Lei nº 26/2013 (a 11 de Abril), é obrigatória a aplicação dos príncipios gerais da Protecção Integrada por todos os utilizadores profissionais. Cumprido esses príncipios gerais, todos os produtos fitofarmacêuticos autorizados em Portugal, para o combate aos inimigos das culturas são passíveis de ser utilizados em Protecção Integrada.

    Intervalo de Segurança

    Cultura Intervalo de Segurança (dias)
    Milho Não se aplica

    L.M.R.

    Informação relativa aos LMRs, consultar a informação na página oficial da EU:: http://ec.europa.eu/sanco_pesticides/public/index.cfm