You are here

Share page with AddThis
Ridomil Gold R WG

Ridomil Gold R WG

Ultima atualização:
28.11.2017

Fungicida

Proteção de culturas

Número de autorização: 
685
Embalagems: 
5 kg
Composição: 
Fórmula: 
Grânulos dispersíveis em água (WG)

Fungicida sistémico e de contacto indicado para o combate ao míldio em videira, batateira, tomateiro e míldio e alternaria em melancia, melão, couve-brócolo, couve-flor, cebola, alface e semelhantes e plantas aromáticas frescas.

Acelga

Doença Dose (L/ha) Recomendações
Míldio
(Bremia lactucae)
500 g/hL
ou
5 Kg/ha
Iniciar os tratamentos quando as condições ambientais forem favoráveis ao aparecimento da doença. A persistência biológica do produto é de 10 a 14 dias, sendo o intervalo mais curto usado em condições de maior risco (chuvas constantes, alta pressão da doença).
Não efetuar mais de 2 tratamentos com este produto ou com outros fungicidas do grupo das fenilamidas.
Alternária
(Alternaria spp.)

Agrião

Doença Dose (L/ha) Recomendações
Míldio
(Bremia lactucae)
500 g/hL
ou
5 Kg/ha
Iniciar os tratamentos quando as condições ambientais forem favoráveis ao aparecimento da doença. A persistência biológica do produto é de 10 a 14 dias, sendo o intervalo mais curto usado em condições de maior risco (chuvas constantes, alta pressão da doença).
Não efetuar mais de 2 tratamentos com este produto ou com outros fungicidas do grupo das fenilamidas.
Alternária
(Alternaria spp.)

Alecrim

Ar livre

Doença Dose (L/ha) Recomendações
Míldio
(Bremia lactucae)
500 g/hL
ou
5 Kg/ha
Iniciar os tratamentos quando as condições ambientais forem favoráveis ao aparecimento da doença. A persistência biológica do produto é de 10 a 14 dias, sendo o intervalo mais curto usado em condições de maior risco (chuvas constantes, alta pressão da doença).
Não efetuar mais de 2 tratamentos com este produto ou com outros fungicidas do grupo das fenilamidas.
Alternária
(Alternaria spp.)

Alface

Doença Dose (L/ha) Recomendações
Míldio
(Bremia lactucae)
500 g/hL
ou
5 Kg/ha
Iniciar os tratamentos quando as condições ambientais forem favoráveis ao aparecimento da doença. A persistência biológica do produto é de 10 a 14 dias, sendo o intervalo mais curto usado em condições de maior risco (chuvas constantes, alta pressão da doença).
Não efetuar mais de 2 tratamentos com este produto ou com outros fungicidas do grupo das fenilamidas.
Alternária
(Alternaria spp.)

Alface-de-cordeiro

Doença Dose (L/ha) Recomendações
Míldio
(Bremia lactucae)
500 g/hL
ou
5 Kg/ha
Iniciar os tratamentos quando as condições ambientais forem favoráveis ao aparecimento da doença. A persistência biológica do produto é de 10 a 14 dias, sendo o intervalo mais curto usado em condições de maior risco (chuvas constantes, alta pressão da doença).
Não efetuar mais de 2 tratamentos com este produto ou com outros fungicidas do grupo das fenilamidas.
Alternária
(Alternaria spp.)

Angélica

Ar livre

Doença Dose (L/ha) Recomendações
Míldio
(Bremia lactucae)
500 g/hL
ou
5 Kg/ha
Iniciar os tratamentos quando as condições ambientais forem favoráveis ao aparecimento da doença. A persistência biológica do produto é de 10 a 14 dias, sendo o intervalo mais curto usado em condições de maior risco (chuvas constantes, alta pressão da doença).
Não efetuar mais de 2 tratamentos com este produto ou com outros fungicidas do grupo das fenilamidas.
Alternária
(Alternaria spp.)

Anis

Ar livre

Doença Dose (L/ha) Recomendações
Míldio
(Bremia lactucae)
500 g/hL
ou
5 Kg/ha
Iniciar os tratamentos quando as condições ambientais forem favoráveis ao aparecimento da doença. A persistência biológica do produto é de 10 a 14 dias, sendo o intervalo mais curto usado em condições de maior risco (chuvas constantes, alta pressão da doença).
Não efetuar mais de 2 tratamentos com este produto ou com outros fungicidas do grupo das fenilamidas.
Alternária
(Alternaria spp.)

Arruda

Ar livre

Doença Dose (L/ha) Recomendações
Míldio
(Bremia lactucae)
500 g/hL
ou
5 Kg/ha
Iniciar os tratamentos quando as condições ambientais forem favoráveis ao aparecimento da doença. A persistência biológica do produto é de 10 a 14 dias, sendo o intervalo mais curto usado em condições de maior risco (chuvas constantes, alta pressão da doença).
Não efetuar mais de 2 tratamentos com este produto ou com outros fungicidas do grupo das fenilamidas.
Alternária
(Alternaria spp.)

Aspérgula

Ar livre

Doença Dose (L/ha) Recomendações
Míldio
(Bremia lactucae)
500 g/hL
ou
5 Kg/ha
Iniciar os tratamentos quando as condições ambientais forem favoráveis ao aparecimento da doença. A persistência biológica do produto é de 10 a 14 dias, sendo o intervalo mais curto usado em condições de maior risco (chuvas constantes, alta pressão da doença).
Não efetuar mais de 2 tratamentos com este produto ou com outros fungicidas do grupo das fenilamidas.
Alternária
(Alternaria spp.)

Azedas

Ar livre

Doença Dose (L/ha) Recomendações
Míldio
(Bremia lactucae)
500 g/hL
ou
5 Kg/ha
Iniciar os tratamentos quando as condições ambientais forem favoráveis ao aparecimento da doença. A persistência biológica do produto é de 10 a 14 dias, sendo o intervalo mais curto usado em condições de maior risco (chuvas constantes, alta pressão da doença).
Não efetuar mais de 2 tratamentos com este produto ou com outros fungicidas do grupo das fenilamidas.
Alternária
(Alternaria spp.)

Classificação, rotulagem e embalagem (CRE)

  • GHS07

Avisos legais

Declarações de precaução

  • Para evitar o desenvolvimento de resistências não efetuar mais do que 2 tratamentos fungicidas com o Ridomil Gold R WG ou outros fungicidas do grupo das fenilamidas.
  • O Ridomil Gold R WG não deve ser aplicado em locais onde se comecem a verificar quebras de eficácia após as aplicações do produto ou de outros produtos com o mesmo modo de ação (CAA), existentes no mercado.
  • Não utilizar o Ridomil Gold R WG em viveiros de videiras.
  • O Ridomil Gold R WG pode provocar sintomas de fitotoxicidade em algumas variedades de videiras, particularmente nas sensíveis ao cobre.
  • Não utilizar o Ridomil Gold R WG durante o período de floração.
  • Muito tóxico para os organismos aquáticos com efeitos duradouros.
  • Não comer, beber ou fumar durante a utilização deste produto.
  • Recolher o produto derramado.
  • Eliminar o conteúdo/embalagem em local adequado à recolha de resíduos perigosos.
  • Ficha de segurança fornecida a pedido.
  • Não contaminar a água com este produto ou com a sua embalagem.
  • Para proteção dos organismos aquáticos, não aplicar em terrenos agrícolas adjacentes a águas de superfície.
  • Intervalo de Segurança – 3 dias em cebola, melancia, melão e tomate; 7 dias em alface, alface-de-cordeiro, manjericão, rúcula, acelga, espinafre, chicória, agrião, salsa, alecrim, azedas, angélica, cerefólio, borragem, calêndula, estragão, cebolinho, feno-grego, hissopo, camomila, capuchinha, urtiga, anis, arruda, satureja, aspérgula, tomilho; 14 dias em batata; 20 dias em couve-brócolo, couve-flor e videira.
  • Em caso de intoxicação, contactar o Centro de Informação Antivenenos. Telef. 808 250 143
  • A embalagem vazia deverá ser lavada três vezes, fechada, inutilizada e colocada em sacos de recolha, devendo estes serem entregues num centro de receção Valorfito; as águas de lavagem deverão ser usadas na preparação da calda.

Modo de Preparação da Calda e Utilização

No recipiente onde se prepara a calda, deitar metade da água necessária.
Juntar a quantidade de produto a utilizar e completar o volume de água, agitando sempre.

Para aplicação com barra de pulverização em culturas baixas:

Calibrar corretamente o equipamento, calculando o volume de calda gasto por ha, de acordo com o débito do pulverizador (L/min), da velocidade e largura de trabalho, com especial cuidado na uniformidade da distribuição da calda.
A quantidade de produto e o volume de calda deve ser adequado à área de aplicação, respeitando as doses indicadas.

Para aplicação em culturas arbustivas e arbóreas:

Calibrar corretamente o equipamento, assegurando a uniformidade na distribuição de calda no alvo biológico pretendido.
Calcular o volume de calda gasto por ha em função do débito do pulverizador (L/min), da velocidade e largura de trabalho (distância entrelinhas).
Nas fases iniciais de desenvolvimento das culturas aplicar a calda com a concentração indicada. Em pleno desenvolvimento vegetativo, adicionar a quantidade de produto proporcionalmente ao volume de água distribuído por ha, pelo pulverizador, de forma a respeitar a dose.

  • Em caso de intoxicação, contactar o Centro de Informação Antivenenos. Telef. 808 250 143

  • Protecção Integrada

    Segundo a Directiva do Uso Sustentável (Directiva 2009/128/CE) que foi transposta para a Lei nº 26/2013 (a 11 de Abril), é obrigatória a aplicação dos príncipios gerais da Proteção Integrada por todos os utilizadores profissionais. Cumpridos esses príncipios gerais, todos os produtos fitofarmacêuticos autorizados em Portugal, para o combate aos inimigos das culturas são passíveis de ser utilizados em Proteção Integrada.

    Intervalo de Segurança

    Cultura Intervalo de segurança (dias)
    Cebola 3
    Melancia 3
    Melão 3
    Tomate 3
    Alface 7
    Alface-de-cordeiro 7
    Manjericão 7
    Rúcula 7
    Acelga 7
    Espinafre 7
    Chicória 7
    Agrião 7
    Salsa 7
    Alecrim 7
    Azedas 7
    Angélica 7
    Cerefólio 7
    Borragem 7
    Calêndula 7
    Estragão 7
    Cebolinho 7
    Feno Grego 7
    Hissopo 7
    Camomila 7
    Capuchinha 7
    Urtiga 7
    Anis 7
    Arruda 7
    Satureja 7
    Aspérgula 7
    Tomilho 7
    Batata 14
    Couve-flor 20
    Couve-brócolo 20
    Videira 20

    L.M.R.

    Informação relativa aos LMRs, consultar a informação na página oficial da EU: http://ec.europa.eu/food/plant/pesticides/eu-pesticides-database/public/?event=activesubstance.selection&language=EN