You are here

Ampexio C

Ultima atualização:
11.01.2022

Fungicida

Proteção de culturas

Authorisation Number: 
0828
Pack size: 
400 g
Composition: 
Formulation: 
Grânulos dispersíveis em água (WG)

Fungicida indicado para o combate ao míldio da videira e míldio do tomateiro.

O AMPEXIO C é um fungicida especifico contra os míldios (Oomicetas), constituído por duas substâncias ativas: o oxicloreto de cobre fungicida inorgânico, de superfície e multi-site que possui uma ativade preventiva e a mandipropamida que pertence a uma nova classe química, a das amidas do ácido carboxílico (CAA) e que, após pulverização foliar, é absorvida pela camada cerosa presente na superfície das plantas, assegurando uma boa resistência à lavagem pela chuva assim que a pulverização seque. A mandipropamida inibe a germinação dos esporos (atividade preventiva), o crescimento do micélio (atividade curativa), quando aplicado imediatamente após a infeção e a produção de esporos (atividade anti-esporulante).

Tomateiro (ar livre e estufa)

Míldio (Phytophtora infestans)
Dose máxima individualVolume de caldaRecomendaçõesIntervalo de segurança

400 – 500 g/hL (máximo de 5 Kg/ha)

400 – 1000 L/ha

Época de aplicação: Os tratamentos devem ser realizados preventivamente, isto é, ao aparecimento dos primeiros sintomas ou, em condições favoráveis ao desenvolvimento da doença. A persistência biológica do produto é de 7 a 10 dias. Reservar a concentração/dose mais elevada e o intervalo mais curto em condições de maior pressão da doença. Para evitar o desenvolvimento de resistências, não aplicar mais do que 3 tratamentos por campanha, com o AMPEXIO C ou outro fungicida do grupo CAA.

3 dias – consumo em fresco

10 dias – destinado a proces-samento

Videira

Míldio (Plasmopara viticola)
Dose máxima individualVolume de caldaRecomendaçõesIntervalo de segurança

400 – 500 g/hL (máximo de 5 Kg/ha)

400 – 1000 L/ha

Época de aplicação: Os tratamentos devem realizar-se de acordo com as indicações do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas. Na sua ausência os tratamentos devem ser realizados preventivamente, ao aparecimento dos primeiros sintomas. O início dos tratamentos, deve ter em conta as condições climáticas e a recetividade da planta (estado 7 a 8 folhas). A persistência biológica do produto é de 10 a 12 dias. Reservar a concentração/dose mais elevada e o intervalo mais curto em condições de maior pressão da doença. Para evitar o desenvolvimento de resistências, não aplicar mais do que 3 tratamentos por campanha, com o AMPEXIO C ou outro fungicida do grupo CAA.

21 dias

Classificação, rotulagem e embalagem (CRE)

  • GHS07

  • GHS09

Avisos legais

Declarações de precaução

  • Nocivo por inalação
  • Muito tóxico para os organismos aquáticos com efeitos duradouros.
  • Não respirar a nuvem de pulverização.
  • Não comer, beber ou fumar durante a utilização deste produto.
  • Caso sinta indisposição, contacte um CENTRO DE INFORMAÇÃO ANTIVENENOS ou um médico.
  • Recolher o produto derramado.
  • Eliminar o conteúdo e a embalagem em local adequado à recolha de resíduos perigosos.
  • Ficha de segurança fornecida a pedido.
  • Não contaminar a água com este produto ou com a sua embalagem.
  • Usar luvas adequadas durante a preparação da calda. Usar luvas, vestuário de proteção e botas de borracha durante a aplicação. No caso de pulverizador manual, utilizar durante a aplicação luvas, vestuário de proteção impermeável e botas de borracha.
  • Na entrada dos trabalhadores às zonas tratadas estes deverão usar camisa de mangas compridas e calças.
  • Impedir o acesso de trabalhadores e pessoas às zonas tratadas até à secagem do pulverizado.
  • Após o tratamento lavar bem o material de proteção e os objetos contaminados, tendo cuidado especial em lavar as luvas por dentro.
  • Para proteção dos organismos aquáticos, não aplicar em terrenos agrícolas adjacentes a águas de superfície.
  • Manter em local seco, ventilado e protegido dos raios solares.

Modo de Preparação da Calda e Utilização

No recipiente onde se prepara a calda, deitar metade da água necessária. Juntar a quantidade de produto a utilizar e completar o volume de água, agitando sempre.

Para aplicação em culturas arbustivas e arbóreas:
Calibrar corretamente o equipamento, assegurando a uniformidade na distribuição de calda no alvo biológico pretendido.
Calcular o volume de calda gasto por ha em função do débito do pulverizador (L/min), da velocidade e largura de trabalho (distância entrelinhas).
Nas fases iniciais de desenvolvimento das culturas aplicar a calda com a concentração indicada. Em pleno desenvolvimento vegetativo, adicionar a quantidade de produto proporcionalmente ao volume de água distribuído por ha, pelo pulverizador, de forma a respeitar a dose.

Para aplicação com barra de pulverização em culturas baixas:
Calibrar corretamente o equipamento, calculando o volume de calda gasto por ha, de acordo com o débito do pulverizador (L/min), da velocidade e largura de trabalho, com especial cuidado na uniformidade da distribuição da calda.
A quantidade de produto e o volume de calda deve ser adequado à área de aplicação, respeitando as doses indicadas.

Volume de calda a utilizar: 400 – 1000 L/ha.

Precauções Biológicas

Para evitar o desenvolvimento de resistências não aplicar mais do que 3 tratamentos em videira e tomateiro com o AMPEXIO C ou outros fungicidas do grupo CAA.

Os tratamentos devem ser realizados em alternância com outros fungicidas de diferentes modos de ação.

Persistência de Acção

Resultante das suas propriedades Lok+Flo®, a mandipropamida, possui uma excelente resistência à lavagem, não sendo por isso lavado ou arrastado pelas chuvas ocorridas 60 minutos após a sua aplicação ou se o pulverizado já se encontrar completamente seco. O AMPEXIO C possui uma persistência biológica até 12 dias em videira e 10 dias em tomateiro, devendo encurtar-se para 10 dias (em videira) e 7 dias (em tomateiro) em condições favoráveis ao aparecimento da doença.

  • Em caso de intoxicação contactar o Centro de Informação Antivenenos. Telef: 800 250 250

  • Protecção Integrada

    Segundo a Diretiva do Uso Sustentável (Diretiva 2009/128/CE) que foi transposta para  a Lei nº 26/2013 (a 11 de Abril), é obrigatória a aplicação dos príncipios gerais da Protecção Integrada por todos os utilizadores profissionais. Cumprido  esses príncipios gerais, todos os produtos fitofarmacêuticos autorizados em Portugal, para o combate aos inimigos das culturas são passíveis de ser utilizados em Protecção Integrada.

    LMR

    Informação relativa aos LMRs, consultar a informação na página oficial da EU: https://ec.europa.eu/food/plant/pesticides_en