You are here

Share page with AddThis

Ampexio C

Ultima atualização:
21.06.2019

Fungicida

Proteção de culturas

Authorisation Number: 
0828
Pack size: 
400g
Composition: 
Formulation: 
Grânulos dispersíveis em água (WG)

A mandipropamida penetra, em parte, no interior dos tecidos vegetais, possuindo movimento translaminar. No entanto, a maior parte fica adsorvida às camadas cerosas dos tecidos vegetais. A estas duas características chamamos efeito Lok+Flo®. Esta substância inibe o crescimento micelial do fungo bem como a germinação e a formação dos esporos. O modo bioquímico de actuar está ainda em estudo, mas pensa-se que estará relacionado com a biossíntese dos fosfolípidos. A mandipropamida pertence a uma nova classe química, amidas do ácido carboxílico (CAA).

O oxicloreto de cobre pertencente à família química dos cobres e possui uma actividade preventiva. 

O AMPEXIO C inibe a germinação dos esporos (actividade preventiva), o crescimento do micélio (actividade curativa), quando aplicado imediatamente após a infecção e a produção de esporos (actividade anti-espurante).

Tomateiro (ar livre e estufa)

Míldio (Phytophtora infestans)
Dose máxima individualVolume de águaRecomendaçõesIntervalo de segurança

400 – 500 g/hL (máximo de 5 Kg/ha)

400 – 1000 L/ha

Época de aplicação: Os tratamentos devem ser realizados preventivamente, isto é, ao aparecimento dos primeiros sintomas ou, em condições favoráveis ao desenvolvimento da doença. A persistência biológica do produto é de 7 a 10 dias. Reservar a concentração/dose mais elevada e o intervalo mais curto em condições de maior pressão da doença. Para evitar o desenvolvimento de resistências, não aplicar mais do que 3 tratamentos por campanha, com o AMPEXIO C ou outro fungicida do grupo CAA.

3 dias – consumo em fresco

10 dias – destinado a proces-samento

Videira

Míldio (Plasmopara viticola)
Dose máxima individualVolume de águaRecomendaçõesIntervalo de segurança

400 – 500 g/hL (máximo de 5 Kg/ha)

400 – 1000 L/ha

Época de aplicação: Os tratamentos devem realizar-se de acordo com as indicações do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas. Na sua ausência os tratamentos devem ser realizados preventivamente, ao aparecimento dos primeiros sintomas. O início dos tratamentos, deve ter em conta as condições climáticas e a recetividade da planta (estado 7 a 8 folhas). A persistência biológica do produto é de 10 a 12 dias. Reservar a concentração/dose mais elevada e o intervalo mais curto em condições de maior pressão da doença. Para evitar o desenvolvimento de resistências, não aplicar mais do que 3 tratamentos por campanha, com o AMPEXIO C ou outro fungicida do grupo CAA.

21 dias

Classificação, rotulagem e embalagem (CRE)

  • GHS07

  • GHS09

Avisos legais

Declarações de precaução

  • Nocivo por inalação
  • Muito tóxico para os organismos aquáticos com efeitos duradouros.
  • Não respirar a nuvem de pulverização.
  • Não comer, beber ou fumar durante a utilização deste produto.
  • Caso sinta indisposição, contacte um CENTRO DE INFORMAÇÃO ANTIVENENOS ou um médico.
  • Recolher o produto derramado.
  • Eliminar o conteúdo e a embalagem em local adequado à recolha de resíduos perigosos.
  • Ficha de segurança fornecida a pedido.
  • Não contaminar a água com este produto ou com a sua embalagem.
  • Usar luvas adequadas durante a preparação da calda. Usar luvas, vestuário de proteção e botas de borracha durante a aplicação. No caso de pulverizador manual, utilizar durante a aplicação luvas, vestuário de proteção impermeável e botas de borracha.
  • Na entrada dos trabalhadores às zonas tratadas estes deverão usar camisa de mangas compridas e calças.
  • Impedir o acesso de trabalhadores e pessoas às zonas tratadas até à secagem do pulverizado.
  • Após o tratamento lavar bem o material de proteção e os objetos contaminados, tendo cuidado especial em lavar as luvas por dentro.
  • Para proteção dos organismos aquáticos, não aplicar em terrenos agrícolas adjacentes a águas de superfície.

Modo de Preparação da Calda e Utilização

No recipiente onde se prepara a calda, deitar metade da água necessária. Juntar a quantidade de produto a utilizar e completar o volume de água, agitando sempre.

Para aplicação em culturas arbustivas e arbóreas:
Calibrar corretamente o equipamento, assegurando a uniformidade na distribuição de calda no alvo biológico pretendido.
Calcular o volume de calda gasto por ha em função do débito do pulverizador (L/min), da velocidade e largura de trabalho (distância entrelinhas).
Nas fases iniciais de desenvolvimento das culturas aplicar a calda com a concentração indicada. Em pleno desenvolvimento vegetativo, adicionar a quantidade de produto proporcionalmente ao volume de água distribuído por ha, pelo pulverizador, de forma a respeitar a dose.

Para aplicação com barra de pulverização em culturas baixas: -
Calibrar corretamente o equipamento, calculando o volume de calda gasto por ha, de acordo com o débito do pulverizador (L/min), da velocidade e largura de trabalho, com especial cuidado na uniformidade da distribuição da calda.
A quantidade de produto e o volume de calda deve ser adequado à área de aplicação, respeitando as doses indicadas.

Volume de calda a utilizar: 400 – 1000 L/ha.

Precauções Biológicas

Para evitar o desenvolvimento de resistências não aplicar mais do que 3 tratamentos em videira e tomateiro com o AMPEXIO C ou outros fungicidas do grupo CAA. 

Os tratamentos devem ser realizados em alternância com fungicidas de outros grupos químicos. No míldio da videira, na eventualidade de serem necessárias mais aplicações, utilizar em alternância, por exemplo o Ridomil Gold Combi Pépite, ou o Quadris Max. Em míldio do tomateiro na eventualidade de serem necessárias mais aplicações, utilizar, em alternância, por exemplo o Ridomil Gold MZ Pépite, ou o Ortiva. 

O AMPEXIO C não deve ser aplicado em locais onde se comecem a verificar quebras de eficácia após as aplicações do produto ou de outros produtos com o mesmo modo de ação (CAA), existentes no mercado.

  • Em caso de intoxicação contactar o Centro de Informação Antivenenos. Telef: 808 250 143

  • Protecção Integrada

    Segundo a Diretiva do Uso Sustentável (Diretiva 2009/128/CE) que foi transposta para  a Lei nº 26/2013 (a 11 de Abril), é obrigatória a aplicação dos príncipios gerais da Protecção Integrada por todos os utilizadores profissionais. Cumprido  esses príncipios gerais, todos os produtos fitofarmacêuticos autorizados em Portugal, para o combate aos inimigos das culturas são passíveis de ser utilizados em Protecção Integrada.

    LMR

    Informação relativa aos LMRs, consultar a informação na página oficial da EU: http://ec.europa.eu/food/plant/pesticides/eu-pesticides-database/public/?event=activesubstance.selection&language=EN