You are here

Share page with AddThis

Score 250 EC

Ultima atualização:
21.05.2020

Fungicida

Proteção de culturas

Authorisation Number: 
0904
Pack size: 
1 l
Composition: 
Formulation: 
Concentrado para emulsão (EC)

Fungicida sistémico, indicado para combater várias doenças em diversas culturas.

O difenoconazol atua ao nível da parede celular dos fungos, inibindo a biosíntese da ergosterol. Sistemia localizada típica dos triazóis.

A substância ativa é absorvida pelas folhas em 2 horas pelo que, passado este período de tempo, a sua atividade não é influenciada pela pluviosidade.

O comportamento do produto é afetado por temperaturas abaixo de 10ºC.

Apresenta uma persistência de 5 dias, aos quais se deve acrescentar uma ação curativa até 5 dias. Também apresenta ação anti-esporulante.

Aipo

Septoriose (Septoria sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

500 mL/ha

Iniciar as aplicações imediatamente após os primeiros sintomas. Repetir a aplicação 14 dias depois, se necessário.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações anuais, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

14 dias

Alcachofra

Oídio (Erysiphe sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

500 mL/ha

Iniciar as aplicações imediatamente após os primeiros sintomas. Repetir a aplicação 14 dias depois, se necessário.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações anuais, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

14 dias

Alho francês e Cebola

Alternariose (Alternaria sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

500 mL/ha

Iniciar as aplicações imediatamente após os primeiros sintomas. Repetir a aplicação 14 dias depois, se necessário.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações anuais, no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

Alho francês:
21 dias

Cebola:
14 dias

Ameixeira e Cerejeira

Moniliose (Monilia sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

30 mL/hL
Máx.300 mL/ha

Iniciar as aplicações de acordo com as indicações do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas. Na sua ausência realizar os tratamentos desde o início da floração em condições favoráveis ao desenvolvimento da doença.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações anuais, no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

7 dias

Batateira

Alternariose (Alternaria sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

600 mL/ha

Iniciar as aplicações imediatamente após os primeiros sintomas. Repetir a aplicação 14 dias depois, se necessário.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações anuais, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

3 dias

Beringela, Meloeiro e Courgette (aboborinha)

Oídio (Sphaeroteca sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

50 mL/hL
Máx.500 mL/ha

Iniciar as aplicações imediatamente após os primeiros sintomas. Repetir a aplicação 14 dias depois, se necessário.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações anuais, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

Beringela:
7 dias

Meloeiro e Courgette (aboborinha):
3 dias

Beterraba sacarina

Cercosporiose (Cercospora beticola), Ferrugem (Uromyces betae), Oídio (Erysiphe betae) e Ramulariose (Ramularia beticola)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

500 mL/ha

Iniciar os tratamentos após o aparecimento dos primeiros sintomas e repetir 14 dias depois. Caso necessário, prosseguir os tratamentos com um produto indicado para estas finalidades e com diferente modo de ação.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações, no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

28 dias

Cenoura

Alternariose (Alternaria dauci), Oídio (Sphaerotheca fuliginea) e Cercosporiose (Cercospora carotea)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

50 mL/hL
500 mL/ha

Iniciar as aplicações imediatamente após os primeiros sintomas. Repetir a aplicação 14 dias depois, se necessário.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações, no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

14 dias

Couve de bruxelas e Couve repolho

Alternariose (Alternaria sp.) e Mancha das folhas (Mycosphaerella sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

500 mL/ha

Iniciar as aplicações imediatamente após os primeiros sintomas. Repetir a aplicação 14 dias depois, se necessário.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações anuais, no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

Couve de bruxelas:
21 dias

Couve repolho:
14 dias

Couve-brócolo e Couve-flor

Alternariose (Alternaria sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

500 mL/ha

Iniciar as aplicações imediatamente após os primeiros sintomas. Repetir a aplicação 14 dias depois, se necessário.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações anuais, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

14 dias

Craveiro (em estufa) e Gladíolo

Ferrugem (Uromyces sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

50 mL/hL
500 mL/ha

Iniciar os tratamentos imediatamente após o aparecimento dos primeiros sintomas e repetir, se necessário.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações, no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

-

Damasqueiro

Moniliose (Monilia sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

30 mL/hL
Máx.300 mL/ha

Iniciar as aplicações de acordo com as indicações do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas. Na sua ausência realizar os tratamentos desde o início da floração em condições favoráveis ao desenvolvimento da doença.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações anuais, no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

7 dias

Oídio (Sphaerotheca sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

20 mL/hL
Máx.200 mL/ha

Iniciar as aplicações de acordo com as indicações do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas. Na sua ausência realizar os tratamentos desde o início da floração em condições favoráveis ao desenvolvimento da doença.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações anuais, no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

7 dias

Espargos

Estenfiliose (Stemphylium sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

500 mL/ha

Iniciar as aplicações imediatamente após os primeiros sintomas. Repetir a aplicação 14 dias depois, se necessário.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações anuais, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

161 dias

Funcho

Ramulariose (Ramularia sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

500 mL/ha

Iniciar as aplicações imediatamente após os primeiros sintomas. Repetir a aplicação 14 dias depois, se necessário.

3 dias

Macieira

Pedrado (Venturia inaequalis)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

15 mL/hL
150 mL/ha

Iniciar as aplicações de acordo com as indicações do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas. Na sua ausência realizar os tratamentos desde o aparecimento da ponta verde das folhas, em condições favoráveis ao aparecimento da doença. Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 3 aplicações anuais, no conjunto das doenças,  com este ou outro fungicida do grupo dos DMI. No caso da macieira quando se efetue um tratamento de combate ao pedrado está-se a proteger simultaneamente o oídio.

Recomenda-se que alterne este produto com outros de diferente modo de ação, como por exemplo o CHORUS 50 WG, até ao fim da floração.

14 dias

Morangueiro

Oídio (Podosphaera sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

500 mL/ha

Iniciar as aplicações imediatamente após os primeiros sintomas. Repetir a aplicação 14 dias depois, se necessário.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações anuais, no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

3 dias

Oliveira

Olho de pavão (Cycloconium sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

50 mL/hL
500 mL/ha

Aplicar na Primavera, ao aparecimento da doença e em condições climáticas favoráveis. Repetir se necessário após 2 a 4 semanas, efetuando no máximo 2 tratamentos. Se necessário prosseguir os tratamentos no Outono com produtos cúpricos aprovados para a finalidade. Utilizar este produto apenas em tratamentos de Primavera.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 tratamentos anuais, com este ou outro fungicida do grupo DMI.

30 dias

Pepino

Oídio (Sphaeroteca sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

50 mL/hL
Máx.500 mL/ha

Iniciar as aplicações imediatamente após os primeiros sintomas. Repetir a aplicação 14 dias depois, se necessário.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações anuais, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

14 dias

Pereira

Pedrado (Venturia pirina)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

15 mL/hL
Máx.150 mL/ha

Iniciar as aplicações de acordo com as indicações do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas. Na sua ausência realizar os tratamentos desde o aparecimento da ponta verde das folhas, em condições favoráveis ao aparecimento da doença. Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 3 aplicações anuais, no conjunto das doenças,  com este ou outro fungicida do grupo dos DMI. No caso da macieira quando se efetue um tratamento de combate ao pedrado está-se a proteger simultaneamente o oídio.

Recomenda-se que alterne este produto com outros de diferente modo de ação, como por exemplo o CHORUS 50 WG, até ao fim da floração.

14 dias

Pessegueiro e Nectarina

Lepra (Taphrina sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

15 mL/hL
120-400 mL/ha

Iniciar as aplicações de acordo com as indicações do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas. Na sua ausência realizar os tratamentos desde o aparecimento da ponta verde das folhas, em condições favoráveis ao desenvolvimento da doença.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações anuais, no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

7 dias

Moniliose (Monilia sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

30 mL/hL
Máx.300 mL/ha

Iniciar as aplicações de acordo com as indicações do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas. Na sua ausência realizar os tratamentos desde o início da floração em condições favoráveis ao desenvolvimento da doença.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações anuais, no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

7 dias

Oídio (Sphaerotheca sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

20 mL/hL
Máx.200 mL/ha

Iniciar as aplicações de acordo com as indicações do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas. Na sua ausência realizar os tratamentos desde o início da floração em condições favoráveis ao desenvolvimento da doença.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações anuais, no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

7 dias

Pimenteiro

Oídio (Leveillula sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

500 mL/ha

Iniciar as aplicações imediatamente após os primeiros sintomas. Repetir a aplicação 14 dias depois, se necessário.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações anuais, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

7 dias

Roseira (em estufa)

Oídio (Oidium leucoconium) e Ferrugem (Uromyces sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

50 mL/hL
500 mL/ha

Iniciar os tratamentos imediatamente após o aparecimento dos primeiros sintomas e repetir, se necessário.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações, no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

-

Tomateiro

Alternariose (Alternaria sp.), Oídio (Leveillula sp.) e Cladiosporiose (Cladosporium sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

50 mL/hL
Máx.500 mL/ha

Iniciar os tratamentos no viveiro e após a transplantação com um produto aprovado para a finalidade, se necessário. Prosseguir os tratamentos com SCORE 250 EC Aplicar a intervalos de 14 dias, ao aparecimento dos primeiros sintomas ou em condições de humidade elevada.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 2 aplicações anuais em tomateiro, no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

7 dias

Videira

Black-rot (Guignardia bidwelli)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

12 mL/hL
Máx.200 mL/ha

Iniciar as aplicações imediatamente após o aparecimento dos primeiros sintomas da doença. Repetir a aplicação 14 dias depois, se necessário.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 3 aplicações anuais, no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

21 dias

Doença do lenho (Botryosphaeria sp.)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

50 mL/hL
Máx.100 mL/ha

Aplicar no estado fenológico C-D (ponta verde à saída das folhas) usando um volume de calda de 150-200 L/ha.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 3 aplicações anuais, no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

21 dias

Oídio (Erysiphe necator)
Dose máxima individualRecomendaçõesIntervalo de segurança

Concentração / Dose:

20 mL/hL
Máx.200 mL/ha

Seguir as indicações do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas, caso existam. Iniciar as aplicações no estado de cachos visíveis e continuar com a proteção da cultura enquanto se verificarem condições para o desenvolvimento da doença.

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo 3 aplicações anuais, no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI.

21 dias

Classificação, rotulagem e embalagem (CRE)

  • GHS07

  • GHS08

  • GHS09

Avisos legais

Declarações de precaução

  • Pode ser mortal por ingestão e penetração nas vias respiratórias.
  • Provoca irritação ocular grave.
  • Muito tóxico para os organismos aquáticos com efeitos duradouros.
  • Não comer, beber ou fumar durante a utilização deste produto.
  • Usar luvas de proteção/vestuário de proteção/proteção ocular/proteção facial.
  • EM CASO DE INGESTÃO: contacte imediatamente um CENTRO DE INFORMAÇÃO ANTIVENENOS ou um médico.
  • SE ENTRAR EM CONTACTO COM OS OLHOS: enxaguar cuidadosamente com água durante vários minutos. Se usar lentes de contacto, retire-as, se tal lhe for possível. Continuar a enxaguar.
  • NÃO provocar o vómito.
  • Caso a irritação ocular persista: consulte um médico.
  • Recolher o produto derramado.
  • Eliminar o conteúdo/embalagem em local adequado à recolha de resíduos perigosos.
  • Pode provocar pele seca ou gretada, por exposição repetida.
  • Ficha de segurança fornecida a pedido.
  • Não contaminar a água com este produto ou com a sua embalagem.
  • Para proteção dos organismos aquáticos, respeitar uma zona não pulverizada de 20 m em relação às águas de superfície, em pomóideas e prunóideas.
  • Para proteção dos organismos aquáticos, respeitar uma zona não pulverizada de 20 m em relação às águas de superfície ou em alternativa, utilizar bicos anti-deriva que garantam, pelo menos 90% de redução no arrastamento da calda durante a aplicação do produto, em oliveiras. Se utilizar bicos anti-deriva que garantam, pelo menos 75% de redução no arrastamento da calda durante a aplicação do produto, a zona não pulverizada pode ser reduzida para 10 m.
  • Para proteção dos organismos aquáticos, respeitar uma zona não pulverizada de 10 m em relação às águas de superfície ou em alternativa, utilizar bicos anti-deriva que garantam, pelo menos 50% de redução no arrastamento da calda durante a aplicação do produto, em videiras.
  • Para proteção dos organismos aquáticos, respeitar uma zona não pulverizada de 5 m em relação às águas de superfície ou em alternativa, utilizar bicos anti-deriva que garantam, pelo menos 50% de redução no arrastamento da calda durante a aplicação do produto, nas outras culturas.
  • Impedir o acesso de trabalhadores e pessoas às zonas tratadas até à secagem do pulverizado.
  • Na entrada dos trabalhadores às zonas tratadas após a aplicação, estes deverão usar luvas, camisa de mangas compridas, calças, meias e sapatos.
  • Usar luvas e proteção ocular/facial durante a preparação da calda e a aplicação do produto.
  • Após o tratamento lavar bem o material de proteção, tendo cuidado especial em lavar as luvas por dentro.

Modo de Preparação da Calda e Utilização

A calda deve ser preparada directamente no depósito do pulverizador, procedendo da seguinte forma: colocar água até 2/3 da sua capacidade; colocar o agitador em funcionamento; deitar a quantidade de produto necessária, após retirar o filtro da “boca” do pulverizador; completar com o volume de água pretendido, agitando sempre.

Aplicar em pulverização, procurando uma boa cobertura dos orgãos a proteger.

Para aplicação com barra de pulverização em culturas baixas:

Calibrar corretamente o equipamento, calculando o volume de calda gasto por ha, de acordo com o débito do pulverizador (L/min), da velocidade e largura de trabalho, com especial cuidado na uniformidade da distribuição da calda.

A quantidade de produto e o volume de calda deve ser adequado à área de aplicação, respeitando as doses indicadas.

Para aplicação em culturas arbustivas e arbóreas:

Calibrar corretamente o equipamento, assegurando a uniformidade na distribuição de calda no alvo biológico pretendido.

Calcular o volume de calda gasto por ha em função do débito do pulverizador (L/min), da velocidade e largura de trabalho (distância entrelinhas).

Nas fases iniciais de desenvolvimento das culturas aplicar a calda com a concentração indicada. Em pleno desenvolvimento vegetativo, adicionar a quantidade de produto proporcionalmente ao volume de água distribuído por ha, pelo pulverizador, de forma a respeitar a dose

Persistência de Ação

O difenoconazol mantém-se biologicamente ativo entre 5 e 14 dias, dependendo da cultura, da doença e das condições de pressão da mesma.

Precauções Biológicas

Para evitar o desenvolvimento de resistências realizar no máximo, com este ou outro fungicida do grupo dos DMI’s:

- 3 tratamentos em macieira, pereira e videira
- 2 tratamentos nas restantes culturas.

Aconselha-se a aplicação preventiva do produto e a alternância de fungicidas de diferente modo de ação. Não se deve aplicar este produto em locais onde se verifiquem quebras de eficácia após aplicações repetidas com fungicidas com o mesmo modo de ação – DMI.

Em macieira e pereira, se durante as 2 horas que se seguirem a uma aplicação do SCORE 250 EC se verificar queda de chuva, deve repetir-se o tratamento pois o produto não teve tempo para penetrar nos órgãos vegetativos.

  • Em caso de intoxicação contactar o Centro de Informação Antivenenos. Telef: 800 250 250

  • Protecção Integrada

    Segundo a Directiva do Uso Sustentável (Directiva 2009/128/CE) que foi transposta para a Lei nº 26/2013 (a 11 de Abril), é obrigatória a aplicação dos príncipios gerais da Protecção Integrada por todos os utilizadores profissionais. Cumprido esses príncipios gerais, todos os produtos fitofarmacêuticos autorizados em Portugal, para o combate aos inimigos das culturas são passíveis de ser utilizados em Protecção Integrada.

    LMR

    Informação relativa aos LMRs, consultar a informação na página oficial da EU: http://ec.europa.eu/food/plant/pesticides/eu-pesticides-database/public/?event=activesubstance.selection&language=EN